top of page

SÉRIE ANTEROS - Resgate


Elisa chegou à delegacia e não reconheceu quem a aguardava em sua sala.

— Delegada, estava a sua espera pra informar sobre os novos procedimentos. Estou a frente da investigação ao detido que morreu aqui nessa delegacia e, serei figura frequente por um tempo.

— Eu já esperava.

— Pode me chamar de Ribeiro. Pelo que eu vi ele era o gerente da Caixa. Qual o motivo da detenção?

— Na verdade ele foi trazido para averiguações porque entregou dados manipulados da conta de uma vítima de assassinato que está ligada a uma organização criminosa que estamos tentando desmanchar.

— Nessa cidade? Quem diria...

— Vou pedir ao Tavares pra lhe arranjar uma mesa.

Depois de pedir ao estagiário que acomodasse o novo investigador, Elisa seguiu para uma reunião com o restante da equipe.

— Elisa, onde você quer chegar com essa tal investigação? Já nos encrencamos com duas prisões temporárias, a sua mãe ainda está desaparecida... — Indagou Saldanha.

— Eu quero chegar ao fim dessa história. Reuni vocês aqui porque rastreamos o celular da minha mãe e descobrimos uma localização.

— E isso for uma armação deles?

— Só vamos saber quando chegarmos lá.

Mesmo um pouco a contragosto, Saldanha tomou frente da primeira viatura e partiu com Pereira em direção ao local rastreado. A delegada e outros investigadores os seguiram. Depois de quase meia hora pela rodovia, entraram numa estrada de terra e continuaram por uma hora até avistarem um sítio. Logo ao ver, Saldanha parou o carro e, estacionados, seguiram a pé até a porteira.

O carro próximo à varanda denunciava a presença de pessoas no local. Dividindo os policiais, Elisa seguiu pela frente da casa e tentou ouvir ruídos internos chegando perto da porta. Pouca movimentação.

As janelas e portas de madeira, fechadas, não permitiam visão interna. Com certeza de colegas a postos nos fundos da casa, Elisa arrombou a janela frontal e, ao entrar, encontrou a mãe dentro da casa, muito assustada.

— Elisa? O que você está fazendo aqui?

— Como assim? Estamos a dias atrás da senhora.

— Graças a Deus. Eu nunca pensei que uma coisa dessas poderia acontecer.

— Tem mais gente aqui?

— Não. Só me deixaram presa na casa e sumiram. Até tentei fugir por algum canto mas isolaram tudo.

Reuniu os policiais, a mãe e seguiu de volta para a cidade.

 

Sobre o Autor:

Capixaba natural de Ecoporanga, atualmente residindo em Feira de Santana-BA; estudante de Pedagogia, escreve desde criança. Apaixonado por café, criança, história, arte e cultura brasileira. A Arte de Viver foi sua primeira novela publicada, além da coletânea Contos Oh! Ríveis, de humor, estando presente em coletâneas de contos e poemas do Projeto Apparere e contos disponibilizados na Amazon.

O gênero policial vem sendo seu novo foco na escrita, explorando a temática familiar, um prato cheio para discutir as relações da sociedade e refletir sobre as atitudes passionais.

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Post: Blog2 Post
bottom of page