top of page

SÉRIE ANTEROS - Sequestro


Os passos se deram pesados no corredor da delegacia. A delegada entrou impetuosa em sua sala. Danilo, mesmo não recebendo o bom dia de praxe, a seguiu.

— Não quero nada, Tavares.

— Elisa...

— Por favor, vá pro seu trabalho e me deixa com o meu.

— E o que você vai fazer?

— Se eu soubesse já tinha feito.

— Se ele realmente pegou o contrato, não temos muita coisa contra ele.

— Esse não é o problema. Se minha suspeita for certa o grupo vai agir de novo. Contra a gente.

— Então vamos ficar atentos.

— Não me diga.

Nesse momento o celular da delegada tocou. Atendeu. Largando em chamada sobre a mesa o celular, correu para a saída, Danilo tentando acompanhá-la. Chegando em casa, Elisa constatou a ausência de dona Sandra.

— Pode se um trote.

— Não, Tavares.

— Se tivessem levado ela não deixariam um bilhetinho?

— Isso aqui não é filme.

— E agora?

— Cala a boca, Danilo.

Com os olhos brilhando, o estagiário apenas beijou a delegada.

— Está maluco?

— Desculpa. Só fiquei feliz.

— Por eu te mandar calar a boca?

— Por falar meu nome.

— Vamos voltar pra delegacia, preciso reunir os investigadores.


Na sala da delegada, Pereira e Saldanha estavam de pé próximo à porta.

— Calma aí, Elisa.

— Sequestro? Em Ecoporanga? Acho que a gente está superestimando demais esses bandidos daqui.

— Vou colocar uma arma na cabeça da tua mãe também pra você ver a sensação. — Respondeu a delegada.

— De novo você querendo usar a gente como gangue própria pra resolver seus problemas. Quem se meteu com esses caras foi você, nós avisamos. Pra que ficar cutucando onça com vara curta? Não estão incomodando ninguém.

— E você acha que ele dinheiro na conta do capataz saiu de onde, Saldanha? Do trabalho dele de criar gado e plantar mandioca na terra dos outros? Isso é desvio de verba da prefeitura. Eles estão lucrando nas costas de todo mundo, inclusive do seu salário e dos seus impostos.

— Ah, para com esse papo que Brasil é assim. Todo mundo rouba e todo mundo vive muito bem com isso.

Elisa atravessou entre os ombros dos investigadores e saiu da sala.

 

Sobre o Autor:

Capixaba natural de Ecoporanga, atualmente residindo em Feira de Santana-BA; estudante de Pedagogia, escreve desde criança. Apaixonado por café, criança, história, arte e cultura brasileira. A Arte de Viver foi sua primeira novela publicada, além da coletânea Contos Oh! Ríveis, de humor, estando presente em coletâneas de contos e poemas do Projeto Apparere e contos disponibilizados na Amazon.

O gênero policial vem sendo seu novo foco na escrita, explorando a temática familiar, um prato cheio para discutir as relações da sociedade e refletir sobre as atitudes passionais.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2 Post
bottom of page