top of page

TRINTA E UM DIAS - Parte 2 (Alice) - 3º dia



Capitulo Parte II ALICE

Terceiro dia - Prazer, Alice?

“Prazer” pode parecer uma palavra engraçada e com mil e um significados, a depender do momento em que é evocado. Qual o seu maior prazer? Se souber, é claro! Porque a maioria das pessoas, e eu me considero uma delas, andam apenas por aí, fazendo o que devem fazer e sem se importarem com o próprio prazer. Acontece que… tem alguns dias que as obrigações vão pesar, seus ombros vão ficar cansados e você não vai se lembrar o porquê de tudo isso, todos esses anos em que suportou os danos, cultivou promessas, sem jamais colhê-las no tempo certo, tem dias que a rotina fica insuportável e aí eu te pergunto: "Tem algo que possa aliviar? Um sonho guardado no armário, abarrotado pelos compromissos obrigatórios, escondido em baixo de todas as desculpas, quase perdido no meio dos afazeres do dia e suas loucuras… Se olhar neste armário, encontrará algo ou apenas será o mesmo de sempre, as mesmas coisas que sempre te deixaram cansado, mas que você nunca parou de fazer?"

Às vezes o prazer é uma pessoa, sua companhia, aquele abraço quente que recarrega a sua bateria, mas, sabe, não dá pra jogar toda a sua fonte de energia em uma única pessoa, não dá para colocar só naquele abraço sua vontade de seguir em frente com seus passos, todos precisam de algo mais, porque se colocar todas as esperanças em uma única pessoa, se guardá-la no armário junto das outras coisas e recorrer quando tudo pesa, você será o ser mais egoísta do mundo.

"Ninguém é obrigado a segurar seus momentos de desvario, ninguém é obrigado a ser uma fonte de energia ou de prazer para o dia-a-dia, pessoas… Pessoas são companhia, são momentos do seu dia, não coloque o peso do seu mundo nas costa de alguém que já suporta o próprio mundo, já que é meio óbvio: se não conseguiu segurar, por qual motivo passaria a carga, que você sabe o quanto pesa, quanto esmaga, para alguém que ama? Pode parecer cruel, mas as pessoas não são depósitos de dramas ou problemas, no máximo elas são a companhia a outra espada que ajuda na luta e na guerra armada, não queira que alguém faça por você o que você mesmo não consegue fazer".

Pode parecer loucura, jogar todas essas palavras assim na sua cara e esperar que aceite com condescendência. Algumas pessoas acham que a parceria é substituição, que um parceiro deve suportar o peso do céu quando o braço do outro se cansar, mas até Atlas buscou ser o único a aguentar esse peso em função da humanidade, ou talvez seja isso que a literatura grega joga em nossa face, talvez seja um mito ou quem sabe seja verdade, mas isso só o próprio Atlas sabe.

Hoje acordei pensando em metas e como é difícil para algumas pessoas se encontrarem neste vasto e pleno mundo. Parte de mim ainda quer que alguém me aponte um caminho, que alguém deixe pegadas para que eu possa seguir, parte de mim ainda sonha em seguir regras impostas e com elas obter alguma felicidade algum reconhecimento, mas confesso que admiro aquelas pessoas que já nascem com um sonho e com a força para conquistá-lo, pois a verdade é que tem muitas pessoas perdidas pelo mundo, algumas estão atrás de algo e outras apenas estão andando a esmo esperando quem sabe, em algum momento, topar com algum lugar em que as possa acolher.

Na vida tem os guerreiros — aqueles que lutam contra as barreiras que se jogam de corpo inteiro — e também, posso dizer que tem os retalhadores — aqueles que buscam aplacar suas próprias dores causando mais dores ainda em outras pessoas —. Também acho que na vida haja pessoas comuns, como eu, sem a menor perspectiva, sem um armário com sonhos ou prazeres únicos, acho que sou uma daquelas pessoas que apenas existe e isso é um baita desperdício,

porque uma vida fundada em meras e únicas palavras não pode ser compreendida como uma vida realmente vivida. “Querer”, “poder” e “fazer”, estas únicas palavras indicam ações, verbos que vão criando pouco a pouco o caminho que devemos seguir. Ninguém somente vive de palavras, precisamos de ações concretas para que não sejam tais palavras tão infundadas. E isso, meu caro, vale desde o amor a amizade vale desde a premissa do valor até a completa vaidade.

"Por isso eu acho um extremo desperdício delegar as palavras da sua vida para a boca de um outro alguém".

Não se deve esperar do outro a força que só você tem, jamais sente e assista sua vida ser criada pelas mãos de um outro alguém, porque no fim das contas o artista mesmo, esse sempre vai ser você.

 

Sobre a Autora:

Uma autora independente que gosta de escrever tanto quanto de respirar, participou de varias antologias e foi uma das dez finalistas no concurso "cuenta me un cuento" de 2020. Também participou da antologia anjos caidos da dar books, onde o livro esta na amazon com o conto intitulado: "o testemunho de Delphin". Foi selecionada para o a antologia Teleportados com o conto: " Por de trás da pálpebras", no entanto não participou na formação do livro. Uma escritora inovadora, aspirante a poeta e muito concentrada em sempre dar o seu melhor, buscando uma oportunidade de provar o valor de suas palavras.


 

Revisão: Tatiana Iegoroff

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Post: Blog2 Post
bottom of page