O Engodo do Cramunhão


Ó Cria do Satã!

O povo não votou de forma sã

Como fostes ser presidente?

És verme tão indecente!


Triste eleição!

Sobrou até para o futebol

O Verde e amarelo usaram como anzol

Mas pescaram só gados que curtem besteirol


Atuante nas mentiras

Mas só faz de fumaça as cortinas

Nas lives vomita pedras cafetinas

Do Brasil virou o cafetão


És pior que o vírus

O seu bando de urubus

Aguardam a carniça de sobras

Do banquete da tua família de cobras



De jacarés a falsos mergulhos

E do Brasil só sobra entulhos

Do “Eu não sou Coveiro” a “gripezinha”

Das mortes da pandemia és culpado até a espinha


És um fanfarrão Genocida

Um mentiroso Golpista

Ó vendedor de cloroquina!

Precisamos é da vacina!


O que nos resta a fazer?

É difícil de dizer!

Que comece pela união!

Tiremos esse engodo do Cramunhão!


Sobre o Autor:

Hugo Britto, nascido em Recife no dia 15/03/1985, tem formação em Engenharia, mas é apaixonado por Literatura. Começou a escrever por razões da militância socialista, e a atividade se tornou um Hobbie. Hoje escrevo mais poesias, folhetins, Contos e ensaios (Filosofia, Sociologia).



Revisão: Karla Gama

66 visualizações8 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Silêncio

A Palavra