CACOEMA

Precisa alcunha me deram

Chamo-me boca do inferno

Um inclemente juiz

Sem capa, toga e terno.

Se me encontrares no espelho

Não te assalte o medo

De ver-te como a mim veem

Para a alegria de todos

Sou um cachorro amarrado

Pagando pena de caco

Que a ferida me coça


Sabujo velho banido

Á Ilha do esquecido

Para a saúde da ordem

Sobre o Autor:

Leandro Costa é poeta e contista da Terra dos Verdes Abutres da Colina: Santana do Acaraú, no Ceará, terra de onde tira inspiração para a escrita. Seus versos e contos são marcados por metáforas, simbolismos, memórias e descrição psicológica de seus personagens.

19 visualizações1 comentário
 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Tumblr

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.