CACOEMA

Precisa alcunha me deram

Chamo-me boca do inferno

Um inclemente juiz

Sem capa, toga e terno.

Se me encontrares no espelho

Não te assalte o medo

De ver-te como a mim veem

Para a alegria de todos

Sou um cachorro amarrado

Pagando pena de caco

Que a ferida me coça


Sabujo velho banido

Á Ilha do esquecido

Para a saúde da ordem

Sobre o Autor:

Leandro Costa é poeta e contista da Terra dos Verdes Abutres da Colina: Santana do Acaraú, no Ceará, terra de onde tira inspiração para a escrita. Seus versos e contos são marcados por metáforas, simbolismos, memórias e descrição psicológica de seus personagens.

12 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Certas canções

Certas canções... Que trazem harmonia pro ritmo desafinado do íntimo, desafinado pelos gritos do descompasso que as ansiedades presenteiam... Não apenas ouça, Escute música, Enriquece demais a trilha

 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.