Coisas Primais

Queria ser de posse do vento como uma conchinha é.

Bastaria encostar-me o ouvido

E poderia se ouvir uma melodia infinita tocar em meu interior.

Queria ser afortunado como o dia é,

E despertar pelo gorjeio dos passarinhos.

Os pássaros se ajuntam na janela da manhã e despertam o sol com seus gorjeios.

Queria ser de posse do mar como o pôr do sol é.

As águas guardam o dia com a delicadeza que o poeta se guarda nas palavras.

Queria ser de posse da noite como os vagalumes são.

Queria ser de posse de um passarinho como o néctar de uma flor é.

Queria a miudeza da chuva me descomeçando.

Sobre o Autor:

Marcos Andrade Alves dos Santos é Poeta, Contista, Escritor e Pesquisador. Mestrando em Sociologia no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Gênero e Diversidade na Escola pela Universidade Federal do Ceará. Participou dos projetos editoriais pela Porto de Lenha Editora. Publica poesias e contos na Revista LiteraLivre, na Revista Ecos da Palavra e em diversos periódicos da área de Literatura. Publicou com sua avó o livro A Mística dos Encantados, pela Editora Edições e Publicações.


Posts recentes

Ver tudo

Decisões

E quando decidimos mergulhar a cabeça na areia pra ver tudo cor de rosa? Tantas desculpas pra não assumir seu roteiro, Desculpas que se pode até engolir sem farinha não faltam, que grande decisão! Dev

 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.