• Alladin

Desculpe

Desculpe!

Por ter amado demais,

E não ter demonstrado nada,

Por não gostar muito,

Do toque físico das mãos,

Mas sim querer os dos corações.


Mas fui sincero, sempre,

Quando nas noites de serenatas,

Jurava aos pés da lua, o como te amo,

Mas na chegada do suor do sol,

A lua e eu ficávamos mudos, calados,

Guardando o sentir da alma.


Te fiz poemas,

E alguns eu te entreguei,

Mas o mais puro de mim,

Estava naqueles que guardei!


Te fiz declarações,

Algumas foram visíveis,

Mas as palavras mais sinceras,

Guardei no calabouço do meu corpo.


Mas não se preocupe,

Palavras por palavras não mudam nada,

O tempo será o juiz do meu sentir,

Mas nas minhas loucuras,

No meu silêncio permanente,

Só tenho a dizer: obrigado.

Sobre o Autor:

Pernambucano, ator, produtor cultural e escritor, Luiz Alladin escreve versos desde a infância, influenciado pela família, mas entrou de cabeça mesmo na literatura quando largou a faculdade de ciências contábeis e começou a frequentar os saraus. Hoje ele se dedica em escrever seus textos e a produzir eventos culturais na região onde vive, no interior de Pernambuco, preservando espaços de cultura de resistência.

18 visualizações0 comentário
 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.