Mulher-lua

Sou noturna, mulher-lua, filha do oriente

Nasci em outubro, ao findar de um poente

Fiz na areia o meu sanctum celestial,

Cristal violeta posto num pedestal

Sou praia à noite, luz azul, lua cheia

Sou praia à tarde, céu lilás e lua vermelha

Às vezes cigana, às vezes índia, uma vez sereia

Carrego raízes de mulheres fortes

Um sussurro me diz sobre o amanhã

Não temo tempestades, sou moça e anciã

Notívaga, vagante pela madrugada

Meus olhos-esmeraldas são janelas

Que se abrem para a estrada

Sou noturna, mulher-lua, filha do oriente

Sou praia à noite, luz azul, lua cheia

Sou um corpo no mundo

Uma estrela que nasce

Uma aurora

Um grão de areia

91 visualizações3 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Na Caverna

 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Tumblr

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.