Perene

Ensina-me a sorrir com a intensidade de teu sorriso;

Prove-me que o paraíso é mesmo o seu repousar.

Abrace-me forte, pois ainda não consigo

Seguir em frente sem tuas mãos a me guiar.

E mesmo que não veja os teus braços envolvendo o meu corpo,

Sentirei o coração bater como louco

Na disritmia de minha saudade

Que tem nome, cheiro, rosto...

E, por vezes, causa-me tanto desgosto

Resumindo os meus dias em dilacerante lamentar.

Nessas horas a tristeza transborda

E as lágrimas vêm me visitar.

São inúmeras! Tantas que fracasso em enxugar.

Desisto! Entrego-me a elas sentindo cada extensão de meu corpo a chorar.

Minh’alma implora por um toque seu,

Então, diga-me se está feliz

Para que eu possa prosseguir sem teu contato

Reconhecendo que o amor não é só tato

E aquilo que vivemos não se perdeu.

Invada os meus pesadelos mais sombrios transformando-os em sonhos lindos

Repletos de momentos já vividos que, por um capricho da vida, não voltarão jamais.

Quem sabe nesse instante viver deixe de ser angustiante

E eu volte, então, a ter um pouco de paz.

Beije o meu rosto ainda que eu não perceba

Enquanto espalha pelo ar o perfume que sempre anunciou a sua chegada,

Faça com que cada parte de mim o receba

Alegrando, enfim, a minha morada.

Sussurre em meus ouvidos a canção que te define, aquela que acalmava as tuas tempestades,

Farei dela minha oração mais sublime

Para que possa, assim, aceitar tais brevidades.

Em meus momentos mais nefastos clamo pela vivacidade de seu olhar,

Pois quem é luz transcende a distância

E sua aura nunca deixa de brilhar.

Ajude-me a ressurgir e a crer que essa angústia, aos poucos, irá se dissipar.

Sinta em seu coração toda a minha alegria e gratidão

Por fazer parte de seu caminhar.

Peço-lhe que espere por mim, afinal, um dia, voltaremos a nos reencontrar.

E quando tal momento chegar, o nosso amor perene, amargurado pela saudade, transmutará em mansidão.

Nesse comovente instante a completude em nossas almas celebrará essa união,

E permaneceremos assim, sempre e para todo o sempre, unos em comunhão.

Sobre a autora:

Brasileira, paulistana e formada em Letras - Tradução desde 2018, Karla Gama sempre amou escrever, porém, nunca teve coragem para expor os seus escritos por não julgá-los bons o suficiente. Até chegar o momento em que decidiu mudar de atitude e, principalmente, de pensamento: passou a acompanhar escritores experientes em busca de aprimoramento, e a publicar os seus escritos.

111 visualizações3 comentários
 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.