Podar

Flores e flores para onde olhar.

Meu olhar sem lugar não sente

como sente o coração,

que faltam flores penteadas

como os cabelos de Lídia...

Lídia ofegante,

Lídia suada,

Lídia no chão,

à crua tarde, a morte crua.

E quem será que?

Mas seu perfume com o jardim compete

ainda depois de fria e escura

sob os pés de pedra.

(Fugaz sensação).


Vem o jardineiro

cuidando cuidando cuidando

todos os dias nos dias todos.

Acostumou-se,

já não ama as flores,

as flores que murcham na terra,

as flores que nas fotos duram,

as fotos que se apagam...

e depois se apaga o mundo

com as fotos

com as flores.

12 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Na Caverna

 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Tumblr

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.