Podar

Flores e flores para onde olhar.

Meu olhar sem lugar não sente

como sente o coração,

que faltam flores penteadas

como os cabelos de Lídia...

Lídia ofegante,

Lídia suada,

Lídia no chão,

à crua tarde, a morte crua.

E quem será que?

Mas seu perfume com o jardim compete

ainda depois de fria e escura

sob os pés de pedra.

(Fugaz sensação).


Vem o jardineiro

cuidando cuidando cuidando

todos os dias nos dias todos.

Acostumou-se,

já não ama as flores,

as flores que murcham na terra,

as flores que nas fotos duram,

as fotos que se apagam...

e depois se apaga o mundo

com as fotos

com as flores.

10 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Certas canções

Certas canções... Que trazem harmonia pro ritmo desafinado do íntimo, desafinado pelos gritos do descompasso que as ansiedades presenteiam... Não apenas ouça, Escute música, Enriquece demais a trilha

 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.