Profana

Atualizado: Set 4

A cada esquina um objeto De desejos pagos, De romances secretos Quem eras tu nas noites passadas Natasha, Valquíria ou só flor? Quem recebia teu prazer Em troca de um certo valor? As esquinas que em você passou Formou, entregou outra fisionomia A cara de um novo objeto, De desejos pagos, romances secretos Quem eras tu Fantasma imposto das calçadas Dizem que antes fosse amada, É verdade? Se foi! Então o que fez o amor virar negócio? Descrença na hora do divórcio? O que fez, ein Tu selar esse pacto de sangue com a noite, Assinar teu contrato com um beijo, Foi o judas que te vendeu? Nas noites que o sagrado se profana Você está lá Com o cigarro aceso, vestida de cigana, E eu aqui, contando meus trocados Pra ter minhas respostas na cama.

19 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Certas canções

Certas canções... Que trazem harmonia pro ritmo desafinado do íntimo, desafinado pelos gritos do descompasso que as ansiedades presenteiam... Não apenas ouça, Escute música, Enriquece demais a trilha

 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.