Quando vejo tudo


Quando vejo tudo,

algo me pergunto.

Quando vejo tudo.


Quando vejo tudo,

crio meu próprio mundo,

quando vejo tudo.


Quando vejo tudo,

fico a pensar...

O mundo é algo complicado de se explicar.


Quando vejo tudo,

pergunto-me: por quê?

Respostas não vejo muito,

quando vejo tudo.


Quando vejo tudo,

tudo me dá medo,

fico com anseio de asas criar,

e para longe voar.


Quando olho para tudo,

fico a pensar: onde vim parar?

Respostas tento encontrar...


Quando olho para tudo,

é quando eu vejo tudo.

*Esta poesia está na Antologia poética Sarau Brasil 2019 – Concurso Nacional Novos poetas. Da Editora Vivara Nacional.

Sobre o Autor:

Nasceu em Manaus/AM é formado em Letras – língua portuguesa e literatura, pós graduado em didática do ensino superior, professor, escritor, poeta, músico, dramaturgo, compositor, contista e roteirista. Autor do livro: OS TRÊS. Tem trabalhos em duas antologias poéticas, ama escrever, criar e se perder em seus mundos que tanto lhes tira da realidade.


Instagram: @jazinosoares

Facebook: Jázino Soares

24 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Peço

Recessão