Viagem

Quem no coração põe lenha

queima os dedos, ficam as mãos.

Há sempre quem consiga

amar direito com todos os dedos

e sem as mãos.

Disse o maquinista ao carvão:

“Assim funciona a locomotiva inteira,

e o trilho longo que dá na morte.

Um lado atiça o fogo,

parte as unhas, queima os cabelos,

perde o toque, anel e mapa;

outro lado com a água ampara,

rega abismo, encosta, cercas

e o passageiro que paciente espera,

até que o amor seu braço estenda

e lhe fure os olhos com seus dedos.”

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Na Caverna

 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Tumblr

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.