Viagem

Quem no coração põe lenha

queima os dedos, ficam as mãos.

Há sempre quem consiga

amar direito com todos os dedos

e sem as mãos.

Disse o maquinista ao carvão:

“Assim funciona a locomotiva inteira,

e o trilho longo que dá na morte.

Um lado atiça o fogo,

parte as unhas, queima os cabelos,

perde o toque, anel e mapa;

outro lado com a água ampara,

rega abismo, encosta, cercas

e o passageiro que paciente espera,

até que o amor seu braço estenda

e lhe fure os olhos com seus dedos.”

10 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Certas canções

Certas canções... Que trazem harmonia pro ritmo desafinado do íntimo, desafinado pelos gritos do descompasso que as ansiedades presenteiam... Não apenas ouça, Escute música, Enriquece demais a trilha

 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.