Táxi

Está chovendo lá fora, mas, do meu lugar no banco de trás desse táxi, o frio não me alcança. Vejo a cidade por detrás da janela embaçada, com suas luzes brilhantes, com pessoas atarefadas.

Bem… Acho que todo mundo está atarefado demais hoje em dia.

Damos mais algumas voltas e, sob o som da chuva e do trânsito, vejo, de meu lugar em meio ao mar de carros, os lugares da minha vida.

A praça do primeiro beijo, o canto da primeira saideira atrás da escola, o lugar onde chorei incontáveis vezes em minha vida solitária e, por fim, a árvore onde me declarei para o meu primeiro amor não correspondido.

Queria ver esses lugares mais de perto, mas, se saísse nessa chuva, decerto seria tragado pelas águas sujas que seguem fortes rua abaixo.

A chuva está mais forte e lá fora tudo se torna um borrão, olho para o motorista e ele me dá um sorriso amável.


— Será que vão lembrar de mim? - eu pergunto e ele me diz.

— A memória dos vivos é curta, mas a dos mortos é vasta, tudo que tem que fazer é esperar o reencontro prometido.

Ouvindo a música de Renato Russo no rádio do táxi, nunca conhecida pelos vivos, deixo o meu motorista, a morte, me levar.

O Autor:


Nascido na cidade de Feira de Santana no interior Baiano, Jonycley Rodrigues (ou simplesmente JC Rodrigues) publicou seu primeiro livro, "A voz do anjo", pela editora EllA, no ano de 2020. Participou da antologia em homenagem a Isaac Asimov publicada pela Arkanus Editora, "Historias do cotidiano" pela Verlidelas, e "Filantropia do mal" organizada por Pris Magalhães.

19 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Tumblr

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.