ANTEROS - Cap. 06 - Contrato Encontrado

Atualizado: há 18 horas

Depois de uma noite de um sono conturbado e interrompido por lembranças e medos da infância e da atualidade, Elisa abotoava o sutiã quando a mãe entrou no quarto trazendo uma caneca de café.

— Vou colocar aqui na cômoda — disse dona Sandra, secamente.

A delegada olhou para a caneca.

— Não precisava. O Tavares sempre faz logo que eu chego.

— Não me custa voltar a acordar cedo pra servir mais um delegado.

— Ele não era só um delegado, era o seu marido.

— Elisa, está aí o café. Se quiser, toma, se não quiser, deixa aí.

A mãe saiu num rompante. A filha, depois de beber o café, lembrou-se da farda lavada pela mãe deixada no antigo escritório do pai e foi apanhá-la. Ao passar a entrada da sala deu de cara com Danilo sentado no sofá.

— Bom dia — saudou o estagiário com um sorriso ao ver a delegada apenas de sutiã.

— Tavares, o que está fazendo aqui? E a uma hora dessas… — disse enquanto fixava o olhar no cabide ao lado da porta.

— Dormi com a minha avó essa noite e a casa dela é aqui perto. Aí resolvi dar uma carona a pé.

— A bolsa da minha mãe não está no cabide, ela saiu?

— Olhos de investigadora até em casa. Ela estava saindo quando eu cheguei. Me deixou entrar e partiu.

— Ela parecia meio triste?

— Não, por quê? Vocês discutiram?… Desculpa, não tenho que…

— Só um desentendimento básico. A gente nunca se deu cem por cento e ela não aceita muito o fato do que eu escolhi pra mim e…

— É por causa do seu Rubens?

— É. Acho que no fundo ela nunca gostou do meu pai ser delegado e agora eu também.

— Ah, ninguém gosta de parente policial. A gente sempre tem medo de acontecer alguma coisa. Minha avó mesmo quase morre quando contei que estou estagiando na delegacia.

— Eu até entendo, mas se fosse só isso acho que ela poderia aceitar melhor. Acredita que ela jogou todas as coisas de trabalho do meu pai fora? O escritório só tem livros e poeira.

Elisa foi andando em direção ao escritório acompanhada de Danilo. Logo abriu a gaveta da mesa.

— Olha só. Tudo vazio. Ia me ajudar tanto. Ele anotava tudo.

— Realmente — respondeu o estagiário distraído olhando o decote da delegada.

— Pega essa farda pra mim... Tavares, a farda!

Danilo atentou-se e entregou a blusa a Elisa, que a vestiu e tornou a retirar os poucos papeis picados restantes na gaveta até deixá-la vazia e perceber uma diferença.

— Esse fundo é falso.

— O quê?

— O fundo dessa gaveta é falso.

Enquanto dizia foi arrancando a gaveta e colocando sobre a mesa. Retirou o falso tampo e um envelope foi revelado.

— Acho que minha mãe não sabia dessa façanha do seu Rubens — disse abrindo o envelope e lendo o que parecia um contrato.

— Saulo Peçanha… Jordi Gonçalves… quem é esse?

— Olha que a cidade é pequena, mas esse nome eu nunca ouvi.

— Vamos pra delegacia agora. Quero uma ficha desse homem imediatamente.

Capixaba natural de Ecoporanga, atualmente residindo em Feira de Santana-BA; estudante de Pedagogia, escreve desde criança. Apaixonado por café, criança, história, arte e cultura brasileira. A Arte de Viver foi sua primeira novela publicada, além da coletânea Contos Oh! Ríveis, de humor, estando presente em coletâneas de contos e poemas do Projeto Apparere e contos disponibilizados na Amazon.

O gênero policial vem sendo seu novo foco na escrita, explorando a temática familiar, um prato cheio para discutir as relações da sociedade e refletir sobre as atitudes passionais.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Tumblr

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.