SÉRIE ANTEROS - Noite Inesperada

Elisa subiu a avenida e seguiu em direção ao viaduto.

— Elisa, o que foi aquilo?

— É sempre assim, ela nunca me apoia, Tavares.

— E pra onde você vai?

— Sei lá. Só queria mesmo dirigir eternamente.

— Você tem certeza que não quer parar e falar sobre aquilo?

— Parar aonde, Tavares?

— Vamos pra minha casa, pode ser?

— Tá, tá.

A delegada freou o carro no cruzamento da rua Jacinto Antônio e seguiu por ela até a casa de Danilo. Deixou o carro na garagem e entrou.

— Quer uma água, um café...

— Vodca.

— Eita, eu acho que não tenho isso aqui não.

— Ah, sei lá, Tavares, mistura qualquer merda aí... Desculpa— disse, retratando-se pela grosseria — É que a minha mãe só me estressa.

— Por que ficou tão incomodada com o que ela disse?

Elisa levantou-se e pegou o copo com seja lá o que Danilo colocara para servi-la. Bebeu de uma vez e continuou calada. O silêncio reinou até o estagiário quebrar o nervosismo, ainda um pouco tenso.

— Você não quer falar ou...

— Eu não posso ter filhos.

Danilo apenas virou o copo com água que segurava na boca e ficou calado olhando a delegada.

— Ela não sabe... Foi um dos motivos do Saulo ter terminado comigo. Na verdade, eu terminei com ele porque ele me traiu e queria que eu aceitasse só por ser estéril, e também porque eu queria fazer o concurso da polícia e ele não apoiava.

— Que idiota...

— Típico.

— Mas, como você descobriu que não...

— Quando eu achei que estava grávida dele. Aí eu fui à ginecologista e depois de uns exames...

— E a sua mãe não sabe até hoje?

— Depois que eu descobri aconteceu tanta coisa e eu fui embora, acabou que não teve momento de contar... Agora que eu voltei, vira e mexe ela joga alguma coisa na minha cara, que estou ficando velha e...

— Velha?

— Pelo menos pra ter filhos sim, mas no meu caso não tem idade nem nada. Além do mais ela fica falando que eu não tenho ninguém e...

— Porque não quer.

— O que?

—Você... Não tem ninguém porque não quer.

— Ah, não é bem assim, Tavares.

— É assim sim... Nunca vi você dando chance a ninguém.

— Dar chance a quem? Ao Pereira? O Saldanha? Você?

— É — respondeu o jovem, suando.

— Ah, você é um menino, Tavares.

— Então é só por isso?

— Só por isso o quê?

— Só porque eu sou mais novo você não...

— Tavares, acho melhor eu ir embora, essa conversa está ficando pessoal demais.

— Espera, só me fala...

— Tavares, estamos no meio de um início de investigação, se conseguirmos alguma coisa concreta podemos desmascarar um esquema inteiro na cidade, e...

— Só me fala...

— Tavares eu...

Antes que Elisa continuasse o rapaz, num lapso de coragem, agarrou-a pela cintura e a beijou. O calor do beijo o fez arrancar a blusa da delegada ser perceber e ver novamente o decote do sutiã branco de renda, o mesmo da primeira vez que foi à sua casa. O restante das roupas começou a cair pelo chão da casa e o sofá da sala foi palco de uma relação interrompida pelo sono após o cansaço de um sexo silencioso.

Sobre o Autor:

Capixaba natural de Ecoporanga, atualmente residindo em Feira de Santana-BA; estudante de Pedagogia, escreve desde criança. Apaixonado por café, criança, história, arte e cultura brasileira. A Arte de Viver foi sua primeira novela publicada, além da coletânea Contos Oh! Ríveis, de humor, estando presente em coletâneas de contos e poemas do Projeto Apparere e contos disponibilizados na Amazon.

O gênero policial vem sendo seu novo foco na escrita, explorando a temática familiar, um prato cheio para discutir as relações da sociedade e refletir sobre as atitudes passionais.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Tumblr

©2020, Literatura Errante®, por Instituto dos Artistas Errantes.